Há 27 anos, “Verão da Lata” empestiou o litoral brasileiro de maconha

Em setembro de 1987, um inesperado carregamento de latas de maconha foi despejado no litoral brasileiro, espalhando-se por praias cariocas e paulistas.

Foi o que bastou para que a galera da época passasse a consumir o “presente divino” durante vários meses, virando o ano e batizando o verão de 1988 como o “verão da lata”.

O insólito verão completa agora 27 anos e é imortalizado no documentário Verão da Lata, dirigido por Tocha Alves e Haná Vaisman, e que estreou no canal a cabo History Channel em dezembro do ano passado. Virgula conversou com Tocha, que conta mais sobre aquele inesquecível verão.

Como surgiu o projeto de fazer o documentário Verão da Lata?
A ideia surgiu de vários lugares ao mesmo tempo. Primeiro, foi um amigo, Ricardo Ortiz, fotógrafo e produtor do documentário, que me apareceu com um roteiro de ficção sobre o assunto. Na época achei que fazer uma ficção seria “muita areia para o meu caminhãozinho” (risos), mas que um documentário eu poderia dar conta.

Na mesma época apareceu um pitching de ideias para documentários do History Channel, no 10º Fórum Brasil de TV. Participei e ganhamos. E para completar conheci a Haná Vaisman, roterista e co-diretora do filme, mais ou menos na mesma época também. Ela já tinha uma pesquisa. Foi uma conjunção de fatores eu diria.

maconha3

Você tinha que idade na época? Chegou a viver essa fase,ou ouviu falar? Chegou a fumar um baseado da lata?
Eu era muito jovem nessa época; não fumei da lata. Mas claro que ouvi muito falar do assunto com todos os meus amigos mais velhos da época. Mas o que mais me incentivou a fazer o filme foi a ideia de desvendar uma lenda. Muitas pessoas entre 15 e 35 anos hoje em dia acham que isso era uma lenda, que não tinha acontecido. Eu quis fazer o filme para provar que aconteceu e foi muito divertido!

maconha5

Qual o impacto dessas latas na cultura jovem brasileira da época?
O impacto foi em vários níveis. Acho que a droga em si deve ter influenciado muita gente criativamente. Naquela época, o Brasil estava entrando na redemocratização, primeiros anos sem ditadura. Com certeza a maconha ajudou. Mas também a lata virou gíria “da lata” quando algo era bom, virou camiseta, quadro, música (da Fernanda Abreu inclusive, Veneno da Lata).

O filme tem 60 minutos. Vocês pretendem fazer uma versão maior ou voltar ao assunto em outros projetos?
O filme tem este tempo porque foi feito para ser um especial de TV, com uma hora de duração. Até pensamos em voltar a este assunto transformando-o num longa, mas desistimos. Pelo menos por enquanto. Na época em que estávamos produzindo o documentário, não conseguimos captar nenhum centavo com as empresas brasileiras. Todas acabavam por declinar por não quererem ter seu nome envolvido num filme sobre maconha. Santa ignorância, Batman!

Via: Virgula

Share this post